Sobre a Agricultura biológica

Definição - "A agricultura biológica é um sistema de produção que promove a saúde dos solos, ecossistemas e pessoas. Tem como base os processos ecológicos, biodiversidade e ciclos adaptados às condições locais, em alternativa ao uso de insumos com efeitos adversos. A agricultura biológica combina tradição, inovação e ciência de modo a ser benéfica para o espaço partilhado e promove relacionamentos justos, assegurando uma boa qualidade de vida para todos os envolvidos." IFOAM, International Federation of Organic Agriculture Movements

De um modo geral, a agricultura biológica:

- não utiliza fertilizantes de síntese poluentes, optando por composto que tem como finalidade manter e melhorar a qualidade dos solos, contribuindo desta forma para a saúde das plantas, dos animais, dos seres humanos e do planeta

- ao contrário do que se acredita, a agricultura biológica pode ser tão ou mais produtiva do que a convencional, assumindo-se como uma alternativa válida para a soberania alimentar, eliminação da pobreza e geração de alimentos de alta qualidade em quantidades suficientes

- ao enriquecer o solo - que considera como um organismo vivo - produz alimentos muito nutritivos e de alta qualidade
- utiliza métodos tradicionais, naturais e/ou físicos de combate a doenças e pragas, sendo o uso de pesticidas e herbicidas laboratoriais extremamente restritivo ou mesmo proibido
- defende a biodiversidade da fauna e flora, uma vez que valoriza de sobremaneira as interacções entre os seres vivos
- diminui a distância entre o agricultor e o consumidor, tornando a relação comercial mais justa e permitindo proporcionar uma boa qualidade de vida a todas as pessoas envolvidas
- parece mais dispendiosa para o consumidor quando comparada com a agricultura convencional, uma vez que esta última externaliza ou distribui pelas populações o preço a pagar por doenças com as quais está muitas vezes relacionada ou pela poluição produzida

- tem que ser certificada obrigatoriamente, pagando e submetendo-se a auditorias por parte de instituições independentes

- não utiliza Organismos Geneticamente Modificados, seguindo desta forma o princípio da precaução, que passa por rejeitar tecnologias com consequências imprevisíveis

A importância da certificação
 
A certificação para o modo de agricultura biológica pretende ser, acima de tudo, uma garantia para o consumidor. Levada a cabo por entidades privadas e independentes - acreditadas pelo Instituto Português da Acreditação e Certificação ou IPAC - representa um sistema de controlo com regulamento específico (a nível europeu) e norma nacional que orienta as práticas dos intervenientes da cadeia de produção, transformação, distribuição, armazenamento, importação e exportação dos produtos biológicos.
 
Isto significa que, como empresa certificada, a Bio em Casa segue um conjunto obrigações e regras - entre elas adquirir apenas alimentos a outros agricultores também certificados - , submete-se ao controlo rigoroso da sua entidade certificadora e sujeita-se a visitas de fiscalização periódicas para que possa assim obter autorização para utilizar o logótipo da União europeia para a agricultura biológica e código da certificadora.
 
Veja o nosso certificado em baixo: